nome_imagem
nome_imagem
Publicidade
nome_imagem nome_imagem
nome_imagem
nome_imagem

Cadastre-se e receba nosso Boletim Diário

nome_imagem
nome_imagem

Eficácia do óleo de macaúba como biodiesel é aprovada em pesquisas da UFLA


Uma palmeira nativa do Brasil com grande potencial na produção de óleo vegetal tem se destacado nas pesquisas da Universidade Federal de Lavras (UFLA): a macaúba. Estudos já indicavam que ela tem a capacidade de produzir até cinco toneladas de óleo por hectare. Pensando nisso, pesquisadores das áreas de Engenharia e Química da UFLA iniciaram os estudos para se chegar a um biodiesel de qualidade a partir dessa oleaginosa.

Com folhas perenes e espinhosas, ela é encontrada com muita frequência em Minas Gerais, assim como em São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Piauí e Ceará. “Somente em Minas há aproximadamente dois milhões de hectares de maciços naturais de macaúba. Isso pode gerar uma nova renda. O agricultor só vai precisar coletar e vender”, comenta o professor de Engenharia na UFLA Pedro Castro Neto, um dos envolvidos na pesquisa.

Assim, o óleo de macaúba como biodiesel pode trazer uma significativa renda ao agricultor. Fecha todo o sistema, dando uma nova oportunidade ao setor. “Ele não precisa para isso derrubar árvores, modificar nada. Isso já existe na sua propriedade”, complementa Pedro.

Mas, para chegar ao resultado final os pesquisadores da UFLA tiveram que realizar diversas tentativas. O professor explica que a macaúba possui um alto índice de acidez, chegando a mais de 50%, sendo assim, todo o processo para deixar o óleo com qualidade, de maneira que possa ser utilizado no biodiesel, foi diferenciado, por meio da catálise ácida. “Hoje, conseguimos adequar a tecnologia, para produzir a partir do óleo de macaúba um biocombustível de excelente qualidade, que possa ser utilizado no País”, relata Pedro Neto.

Nesse processo também esteve envolvido o Laboratório de Química do Núcleo de Estudos em Plantas Oleaginosas, Óleos, Gorduras e Biocombustíveis (G-Óleo) da UFLA. Para que o teste fosse realizado em grande escala, primeiramente foram feitas várias análises e testes no laboratório em pequenas quantidades.

“Foi necessário fazer o processo de esterificação para a diminuição da acidez do óleo. Finalizado esse processo, o óleo passou por uma lavagem a fim de retirar o excesso de catalisador usado na esterificação, posteriormente foi retirado o excesso de água. E em seguida, feito o processo de transesterificação, em que obtivemos o biodiesel já pronto, com a glicerina. Assim, separamos o biodiesel da glicerina, e o passamos por outro processo de lavagem para retirar o excesso de catalisador”, explica o coordenador do setor de Química do G-óleo, estudante da UFLA, Danilo da Silva Souza.

Trator em teste com o biodiesel do óleo de macaúba
Após a finalização, o biodiesel foi encaminhado para Ronald Leite Barbosa, estudante de doutorado em Engenharia Agrícola na UFLA, sob a coordenação do professor de Engenharia Carlos Eduardo Silva Volpato. Eles realizaram diversos testes em um trator, tendo como base distintas quantidades do biodiesel proveniente do óleo de macaúba, mais o diesel comercial. Assim foram analisando como a máquina reagia e ainda verificando as quantidades de gases emitidas pelo escapamento do trator. “Os resultados foram sensacionais, muito promissores, permitindo que o óleo de macaúba seja utilizado como biodiesel de maneira segura”, relata Volpato.

Volpato explica que o diesel que compramos hoje no posto de gasolina é o B7, ou seja, tem 7% de biodiesel. “No nosso caso, nós fizemos os ensaios com B20, B50, B80 e B100. O B20 significa que 80% é o diesel do posto de gasolina e 20% é o transesterificado do óleo de macaúba. O B50, metade de um e de outro. O B80, 80% de macaúba e 20% do convencional. E o B100, totalmente óleo de macaúba”, afirmou.

A pesquisa mostrou que todos os resultados de torque, potência, consumo, emissão, com o B20, foram os melhores. “Já é um significativo ganho. Os resultados foram positivos, tanto tecnicamente quanto na questão ambiental. Na parte técnica, com relação a todas as misturas, o B20 foi o que se comportou melhor, apesar dos outros também terem resultados satisfatórios, em relação ao diesel do posto de gasolina. Já na questão ambiental, os resultados foram excelentes. Ressaltando que todas as misturas deram emissões de gases de particulados abaixo do registrado pelo diesel convencional. E é um biodiesel que pode ser utilizado em todos os veículos que tem um motor de ciclo diesel, como caminhão, caminhonete, ônibus, trator”, relata Volpato.

Para o professor Pedro, os resultados que esse biodiesel apresentou foram sensacionais. “Além disso, o biodiesel é renovável, esse carbono a ser queimado no motor volta para a atmosfera, mas a planta retira o carbono da atmosfera para gerar um novo óleo, então estamos renovando sempre. É isso que queremos, desenvolver essas novas tecnologias”, comentou.

Por Ascom/UFLA

Postado por Passos 24 Horas on 09:42. Marcadores , . Adicionar aos favoritosRSS 2.0

Postagens Recentes

Passos 24 Horas

nome_imagem

Diversos