[Fechar]

.....

.....
nome_imagem
nome_imagem
Publicidade
nome_imagem nome_imagem
nome_imagem
nome_imagem

Cadastre-se e receba nosso Boletim Diário

nome_imagem
nome_imagem

Audiência levanta propostas em defesa da banda do 12º BPM


Uma audiência pública realizada pela Câmara Municipal de Passos em defesa da banda de música do 12º BPM, colheu propostas dos vereadores e da sociedade civil para serem levadas ao governo do Estado e ao comando geral da Polícia Militar, com vistas a impedir a extinção da corporação. Com 51 anos, a banda corre o risco de desaparecer, porque um estudo da PM indica a reestruturação do segmento, onde pelo menos quatro bandas de batalhões no interior poderiam acabar, para seus músicos serem incorporados em outras cidades.
O debate aconteceu na noite de segunda-feira (2 de outubro), reunindo cerca de 40 participantes, e contou com a presença do comandante do 12º BPM, tenente-coronel Leander Tostes Souza, que confirmou que um estudo feito em todo o Estado  apontou uma série de diretrizes, mas que não existiria ainda uma posição fechada do comando geral em Belo Horizonte.
A presidente do Conselho do Patrimônio Cultural de Passos, Adriana Beatriz Polez  Rocha, disse que o órgão abraçou a causa da banda e está decidido a subsidiá-la permanentemente, através de recursos do fundo abastecido pelo ICMS cultural.
O tenente-coronel  Leander Tostes esclareceu que a decisão sobre o futuro da banda não está nas mãos do 12º BPM, muito menos, segundo ele, do comando regional sediado em Poços de Caldas. “Aguardamos  a decisão de nosso comandante (geral)” - disse. Segundo afirmou, o estudo foi entregue na semana passada e não haveria ainda qualquer decisão oficial a respeito.
O regente, tenente Marcos Nascimento, também se pronunciou, explicando que o grupo do 12º BPM se resume hoje a 15 músicos, quando segundo ele o número mínimo de uma banda deveria ser de 28. Nesse contexto, destacou que o estudo foi feito por músicos sob condições técnicas, que analisaram a situação de todas as bandas da PM, verificando questões de funcionalidade e qualidade. Ele disse que há outras corporações limitadas pela questão de efetivo, reforçando que toda a decisão está centralizada no comandante geral.

Bem imaterial
Para o diretor do Departamento de Cultura, Caju Ribeiro, a cidade e região não aceitam ficar sem a banda do 12º BPM. “Não podemos perder, seria perder um pedaço de Passos, da nossa história”. A presidente do Conselho do Patrimônio Cultural disse que a corporação é hoje bem  cultural imaterial com registro definitivo reconhecido pelo Instituto Histórico (IEPHA-MG), destacando que por issosua existência estaria  protegida por força de lei.
O presidente do Instituto Passos Contra a Violência, José Geraldo da Silveira, defendeu a implantação em Passos de um comando regional da PM, acreditando que o comando geral está priorizando o funcionamento das bandas nas sedes dos  regionais – como é o caso de Poços de Caldas. O dirigente conclamou a união de todas as forças políticas de Passos e região a fim de sensibilizar o governo a implantar na cidade a chamada 20ª RPM (Região da Polícia Militar).
O vereador Alex Bueno (PSD) defendeu a elaboração pela Câmara de um manifesto em defesa da banda. O vereador Rodrigo Maia (PP) disse esperar que a decisão do comandante geral leve em conta o mesmo olhar que estaria sendo dado para o  batalhão de Diamantina, onde segundo ele a banda local seria preservada pela sua condição histórica. A vereadora Aline Macedo (PR) lembrou o papel social da banda na comunidade.

Por Ascom/Câmara Municipal de Passos 

Postado por Passos 24 Horas on 19:23. Marcadores , . Adicionar aos favoritosRSS 2.0

Postagens Recentes

Passos 24 Horas

nome_imagem

Diversos